Eu gostaria de compartilhar um trecho do livro, que recentemente eu li, e espero abençoa-lo(a).

“Louvarei ao Senhor em todo tempo; o Seu louvor estará continuamente na minha boca” (Sl. 34:1)

Louvar é reunir todos os feitos que conhecemos de Deus e expressá-los em palavras e cânticos, numa atitude de exaltação e glorificação ao Seu nome, que é digno de ser louvado. E isso deve ser um modo de vida.
Por que é importante louvar a Deus com nossa boca? Porque as palavras são vivas. Palavras são sementes. Dentro delas há um pode de vida que desabrocha quando plantadas, isto é, proferidas pelos nossos lábios, com intensidade de coração.

Quando expressamos nossos louvores, estamos atraindo a presença dos anjos de Deus e pondo os demônios a correr; estamos criando em volta de nós uma atmosfera propícia às manifestações da presença de Deus e liberação do poder do Espírito Santo.

(…) não é necessidade que nos move a buscar a Sua face, mas o reconhecimento do que Ele faz.

O louvor é a porta de Entrada para a Adoração
Assim como as ações de graça levam ao louvor, este nos introduz na adoração. É impossível louvar-se realmente sem que o coração seja movido pelo impulso de entrar no Santo dos Santos e se prostar diante do Trono em profunda adoração a Deus. Vemos isso ilustrado na dedicação do templo construído por Salomão (2Cr. 5:13-14)

Quando um povo verdadeiramente começa a expressar seu louvor a Deus, algo acontece. O Espírito Santo quer nos levar a esse nível de louvor e adoração, em que no culto nós estamos ministrando ao Senhor de um modo tão profundo que, ato contínuo, Sua unção é liberada sobre a congregação e, de repente, os perdidos são redimidos, os enfermos são curados, os opressos são libertos e todo o povo de Deus é edificado. Um espírito de quebrantamento e sobriedade toma conta da congregação, Deus é exaltado e as vidas são transformadas.

O louvor está muitas vezes associado aos cânticos
São muitos os Salmos que nos convidam a cantar louvores ao Senhor.
“E me pôs nos lábios um novo cântico, um hino de louvor ao nosso Deus; muitos verão essas coisas, temerão e confiarão no Senhor” (Sl. 40.3) Bom é render graças ao Senhor e, cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo, anunciar de manhã a Tua misericórdia…(Sl. 92.1)
O cântico muitas vezes está associado ao louvor e pode ser um tremendo veículo de exaltação a Deus. Mas quando falamos de louvor, não nos referimos a um mero formalismo religioso vazio, ou cânticos ritmados com acompanhamentos ensurderecedor.
Tocar ou cantar não é necessariamente louvar. Alguém pode cantar como um papagaio. A música pode ser um veículo de louvor e adoração, mas em si mesma não é louvor nem adoração. As palavras dos lábios podem ser um veículo de louvor e/ou adoração, mas não são necessariamente louvor, nem adoração. Por isso, o Senhor reclamou: “Este povo honra-me com os lábios, mas seu coração está longe de mim” (Is. 29:13)

Muitas vezes aquilo que se chama nas igrejas “período de louvor e adoração”, não passa de uma cantoria inconseqüente ou um batuque que não ministra ao coração, nem leva ao Trono. O verdadeiro louvor, porém, brotado do coração daquele cuja vida testifica o que os lábios proclamam, sempre abrirá o caminho para a adoração e afetará o caráter, pois convivência com Deus sempre transmite santidade. Quando alguém convive muito com Ele, termina refletindo Sua semelhança.

Mas é bom cantar ao Senhor, como veículo das nossas expressões de louvor. Um coração cheio do Espírito está também cheio de melodia e cânticos espirituais. (Ef. 5:18-20) – Paulo exorta a louvar de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais.
O salmista fala de um cântico novo. Podemos fazer nossas próprias melodias, espontaneamente, para expressar nosso louvor. Outro hábito salutar é passar pelos salmos de louvor e cantá-los, fazendo nossas próprias melodias. Cantar em Espírito, em línguas, é outra tremenda forma de louvar a Deus através da música.

Há muita música no céu. Infelizmente satanás, que era líder da adoração, tem corrompido a música e muitas vezes nosso povo não sabe distinguir entre o santo e profano, o que apela aos sentimentos da carne e o que induz o espírito para Deus. O

Senhor busca um povo que saberá usar a música certa para expressar os mais profundos sentimentos de louvor e impulsos do coração. Músicas nascidas num espírito que conhece a intimidade de Deus, e não nos estímulos de seus próprios sentidos.
Experimente colocar música em suas expressões de louvor; faça seus próprios cânticos. Não precisa decorá-los. Use-os só para o momento. É bom cantar os hinos preferidos, mas quando você começa a melodiar o amor do seu coração a Deus, experimentará uma forte liberação da Sua presença

Tipos de Oração. MILHOMENS, Valnice Coelho. São Paulo: Palavra da Fé, 1993. pág.41, 48-50

Anúncios